25 de mar de 2009

O grande educador
Por Amílcar Neves




Foi numa fila de supermercado que os olhos - ambos os dois olhos - de Manoel Osório deram com a figura esguia, impávida e altaneira que aguardava atendimento do caixa preferencial. Sim, seus dois olhos, simultâneos, posto ser peculiar de Manoel Osório ver algo ou alguém de forma direta - com um dos olhos - enquanto o outro esquadrinha, distraído, paisagens talvez mais interessantes e convidativas.

Ele estava lá, aquele esbelto senhor, ou melhor, estava ali, bem pertinho, com o perfil característico dos seus: óculos escuros (em um ambiente fechado), barriga impecável (ou seja: ausente, substituída por músculos ainda bem definidos apesar da idade), chinelos confortáveis - mas nunca, jamais, um par de sandálias de dedo -, um ar soturno de quem não nunca jamais brincou em serviço - nem fora de serviço, pois quem serve à Pátria não se distrai jamais -, com sua mulher, subserviente e obediente, vestida com o recato que convém, cuidando exclusivamente dos pacotes.

Chegou ao caixa com um carrinho de supermercado cheio até quase caírem coisas dele. Outras pessoas e muitos outros carrinhos espalhavam-se pelas cercanias: as pessoas em fila, os carrinhos nem um pouco.

Ao momento de ser atendido, uma velhinha com três comprinhas na mão pediu o favor de uma prioridade. O homem negou e, imperativo, declarou: "A vez é minha".

Após toda a carga do homem encontrar-se na esteira do caixa, e depois que metade daquele rancho já havia sido registrada, a mulher que o seguia na fila começou a depositar no espaço vazio da esteira as compras do seu carro. Ele de olho. A mulher completou o serviço, ele sempre de olho. Então, quase ao final da sua passagem pelo caixa, ele empurrou a mulher para o lado e trouxe de perto um segundo carrinho lotado, afastou para trás as coisas dela e começou a descarregá-lo. Informou, em tom seco, metálico, impessoal: "Este também é meu". A mulher ferveu, corou e calou-se.

Curioso, talvez indignado - ou não (provavelmente não, pois o assunto não tinha a ver com ele) -, Manoel Osório puxou conversa com o homem de bermuda marrom, camisa polo preta, boné verde-oliva e óculos escuros. Que lhe disse:

- Tenho mais três carrinhos cheios aí pelos lados. Minha vida sempre foi educar paisanos. Nos bons tempos, eu era conhecido como "o grande torturador" - e virou-lhe as costas, fechando-lhe os ouvidos. Ambos os dois ouvidos.


Amilcar Neves, escritor. Crônica publicada na edição de hoje (25.3.2009) do jornal Diário Catarinense (Florianópolis-SC). A ilustração sobre foto de Cassandra Lima do Monumento Tortura Nunca Mais (Recife).



Nenhum comentário:

Postar um comentário