20 de fev de 2009





















Olsen Jr, os beatniks e a liberdade


Olá, camaradas, salve!

Quando a indignação atinge o paroxismo (sempre quis usar essa palavra em algum lugar, hoje calhou -essa também- calhou, calharam ... Calheiros, outro pulha...)... você tem de tomar uma atitude, senão explode...

Well, Jarbas Vasconcelos tomou a que achou necessária, fez mais estragos que os 21 anos de regime militar... Nunca mais será a mesma "coisa" mesmo que todos passem a ter as suas "consciências integrais"...

Consciências integrais? Uma contradição em termos, a mesma -nesse caso- de se exigir que os ladrões fiquem honestos...

Rapaz, como exclamaria o meu pai, no meio disso tudo há ainda um vestígio de simplicidade que possibilita outras reflexões sobre o que pretendemos desse mundinho, já que não vamos chegar a lugar nenhum, não custa dar uma espiadinha, presenciei isso no paraíso...

Abraço fraterno do viking autoexilado (olha o hífen aí gente) na Lagoa da Conceição...


OS NOVOS BEATNIKS
Ou um elogio à liberdade

Olsen Jr.

Nos finais e começos de ano, é sempre assim, há um mecanismo inconsciente que faz com que abramos a guarda. De repente ficamos dóceis, ternos, receptivos. É uma constatação que faço e isso nada tem a ver com o cristianismo, apenas com a época, uma vibração diferente. A observação é uma das ferramentas de um escritor, já a sensibilidade para captar a nuance do que é observado pode ser atributo de um poeta. Se você conseguir reunir os dois quesitos em uma pessoa só, melhor. Mas isso ocorre o ano inteiro, então por que lembrar isso apenas agora?

Well, penso que ao afrouxar um pouco o ceticismo contemplativo com que a maioria das pessoas leva a vida, a realidade não parece ser tão soturna como imaginamos quando estamos mais pessimistas que o habitual. Percebi isso agora, vendo aquele grupo. Na verdade acompanho todos eles individualmente andando por aí, a esmo, sem destino e nem objetivos determinados.
Um grupo de pessoas, seis ao todo, lembra aquele livro “Cannery Row”, do John Steinbeck, escrito em 1945 e que integra uma saga do escritor norte-americano que já tinha publicado “Tortilla Flat”, em 1935 e prosseguiu com “Sweet Thursday”, em 1954.

Sim, foi um vislumbre da obra de Steinbeck, dadas as semelhanças, porque aqui na Lagoa da Conceição como lá em Monterey (na Califórnia) estes meio-habitats se parecem. Alguns indivíduos que estão unidos por laços comuns, quer dizer, nenhum deles tem um trabalho fixo, aliás, são os novos beatniks, agora os do século vinte e um. Todos têm certa habilidade em alguma área, seja carpintaria, artesanato, alvenaria e outras ocupações que exijam o emprego das mãos. Só o fazem, entretanto, quando não há mais alternativas para conseguirem o mínimo necessário para levar a vida numa boa.

Na última sexta-feira encontrei-os em um terreno gramado à beira da Lagoa. Na calçada mostravam o trabalho em jóias de arame, prata, bijuterias transformadas em brincos, braceletes, pingentes, camafeus, cordões, prendedores de cabelos, uma variedade de ornamentos capazes de satisfazer qualquer vaidade feminina menos sofisticada, mas de bom gosto para a simplicidade combinando sempre com o velho jeans de guerra. Também, o chimarrão passando de mão em mão enquanto alguém cuidava do fogo, sim, porque havia carne sendo assada, tudo isso ao lado de uma banca de revistas, embaixo de algumas árvores numa manhã de sol claro depois de toda a tragédia que se abateu sobre alguns lugares em Santa Catarina.

Aspirei aquele odor de carne assada, me deu saudades de ver a família reunida, e aquele dolce far niente a que eventualmente dávamos ao luxo de nos entregar. O momento vivido era único. O futuro é um espaço que não existe. Caminho devagar quando passo por eles, também por momentos queria ter a sensação de viver aquela heresia, de não pensar no “depois”... A despreocupação está nos rostos, pelo menos naquela hora.

Que País infernal é esse Brasil, penso.

Registro esse encantamento com a espontaneidade para celebrar a livre escolha, para eternizar a ação de se fazer o que se pode mesmo em uma situação que, muitas vezes, não deveria nem possibilitar esse “poder”: uma escolha apenas, mas vocês que estão chegando agora, que não precisaram viver o que nos foi imposto “como natural” durante o regime militar, leitores, não imaginam o que é viver essa liberdade, o que é desfrutá-la assim, como companheira de viagem, porque se não vamos chegar a lugar nenhum, então ela deve vir junto, afinal, de tudo o que nos podem “tirar” na vida: o vínculo com os nossos pais, o amor que se dizia eterno ou o que conseguimos com o nosso esforço, do homem revoltado às paixões inúteis, é a liberdade o único bem que não suportamos perder na vida... É por isso que todas as ditaduras caem, não importa por quanto tempo dissimulem ficar em pé!

Um comentário:

  1. Celso, salve!

    Não sei o que "você acha" mas tens uma baita (gostou do termo, é gauche) sensibilidade para a ilustração, aliás, o que já percebi no Sérgio Rubim "Canga" e que com o computador pode até facilitar... Mas o "feeling" é do artista aí, encalacrado e que desponta assim, sem eira nem beira, quando provocado...

    Grato pela acolhida e congratulações pela sensibilidade já demonstrada nas ilustrações.

    Abração nórdico aqui do viking

    Olsen Jr.

    ResponderExcluir