4 de mai de 2009

Notas e mais notas


ABS para a Juventude

Reunião acontece hoje (4.5) às 19h30 no anexo da sede da Associação de Bairro de Sambaqui (ABS), conduzida por Dóris Gomes e Cezar Gouvêa. Visa identificar, planejar e implementar ações voltadas aos jovens da comunidade. A ausência de equipes na ultima Gincaponta, atividade que acabou transformada em animada Mostra Cultural, fez soar o alarme de preocupações por parte das lideranças comunitárias locais. Em debate também a feijoada com direito a costela de porco defumada do próximo dia 17. Os ingredientes serão coletadas junto ao comércio e moradores locais, suficientes para 180 pessoas. Os convites custarão R$ 10,00, visando levantar R$ 1,800,00, o valor do aluguel da cobertura de lona da recente Mostra Cultural. Explicação: a Prefeitura de Florianópolis se comprometeu a cobrir a despesa mas deu calote.

*

Lançamento de livro


"Cinema, história e política", obra inicial de Michel Goulart da Silva, será lançado hoje (4.5) às 20 horas no hall de Reitoria da UFSC, logo após a conferência de Elizabeth Jelin, na abertura do Colóquio Internacional "Gênero, Feminismos e Ditaduras no Cone Sul". Com 114 páginas e editado pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores, o livro será vendido por R$ 20,00 (pedidos para michelgsilva@yahoo.com.br). O autor é graduando em História na Udesc e em Ciências Sociais na UFSC (Florianópolis-SC).

*

Suinícolas

Prato da ceia do último sábado: carne de porco, aipim e agrião.

Pernil assado no forno por dona Margaret ficou perfeito.

Peça foi temperada e permaneceu 24 horas na geladeira.

Recém saído do freezer, o pernil começa a descongelar.

O delicioso pernil veio do Extremo Oeste catarinense, onde os produtores amargam a retração do consumo da carne de porco - o marketing das grandes agroindústrias fala em carne suína, puro preconceito contra os porcos. Na região Oeste catarinense, onde a dupla porco/milho faz sucesso há muitas décadas, séculos até, a adoção do sistema de integração vertical pelas agroindústrias se tornou uma faca de duas faces: por um lado garantiu a permanência de muitas famílias no campo
e de outro retirou do produtor qualquer noção de preço mínimo.

Ou seja, não sobraram mais produtores independentes, aqueles que criavam os porcos e os vendiam na hora certa por um preço de mercado. Os que permanecem se encontram "integrados", ou seja, o agricultor recebe os porcos e os cria, por exemplo, até um mês de idade, depois o devolve à agroindústria que, por sua vez, envia o lote a outro produtor que vai continuar o serviço. Desse jeito, os suínos passam por duas, três e até quatro propriedades antes de chegar o momento do abate. Os que cuidam dos animais recebem o estipulado da cooperativa e/ou empresa à qual está integrado.

Por esse motivo hoje não existe mais noção de preço mínimo, como ainda acontece com os grãos (milho, soja etc), por parte do agricultor. Essa "noção" foi concentrada em poucas mãos, hábeis no repasse dos prejuízos prá lá e dos lucros prá cá. É a esses produtores cada vez mais extorquidos que dedico a postagem do preparo do pernil.


*

Leia o artigo "Mentiras políticas y desinformación mediática en relación a la pandemia de gripe porcina", de Michel Chossudovsky, na tradução da revista eletrônica Rebelión ou no original em ingles da Global Research.

*

Festa da Barra do Sambaqui


As fotos das duas procissões da Santa Cruz da Barra do Sambaqui, a Banda Amor a Arte, a culinária, os personagens e a emoção na Capela de São Sebastião, começam a ser postadas hoje à noite.


Nenhum comentário:

Postar um comentário